FREGUESIA DE VILA NOVA DE CERVEIRA

INFORMAÇÃO SUMÁRIA

Padroeiro: S. Cipriano.

Habitantes: 1.475 habitantes (I.N.E.2011) e 1.413 eleitores em 05-06-2011.

Feiras: Semanal, aos sábados.

Sectores laborais: Comércio, indústria, hotelaria, turismo e serviços.

Tradições festivas: Festas do concelho -S. Sebastião (1º domingo de Agosto), e S. Roque das Cortes ( 2º domingo de Agosto ).

Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Castelo de D. Dinis, Igreja da Misericórdia, Igreja Matriz, Capelas de N. S. da Ajuda, de S. Sebastião e de S. Roque, Solar dos Castros, Casas da Cadeia e da Praça, Nichos dos Passos da Paixão.

Gastronomia: Arroz de lampreia e debulho de sável.

Colectividades:   Associação Desportiva e Cultural da Juventude de Cerveira, Clube de Caça e Pesca de Vila Nova de Cerveira, Clube Desportivo de Cerveira, Liga dos Amigos de Cerveira, Coral Polifónico de Vila Nova de Cerveira. Universidade Sénior de Vila Nova de Cerveira e CERVARIA – Associação Cultural e Recreativa.

ASPECTOS GEOGRÁFICOS

Vila Nova de Cerveira é uma das 15 freguesias do concelho de Vila Nova de Cerveira, com 3,32 km² de área e 1 264 habitantes (2001), faz confrontações a Norte com Lovelhe, a Sul com Loivo, a Nascente com Candemil e Reborada e a Poente com o Rio Minho.

Os lugares da Freguesia são: Cortes, Prado e Vila Nova de Cerveira.

RESENHA HISTÓRICA

Em 1188, D. Sancho I doou em préstimo a João Mendes e sua mulher a vila onde se situava Cerveira, de nome Vila Nova.

Segundo as Inquirições de 1258, o julgado de Cerveira compreendia as paróquias de Moreira, Vila Meã, Cornes, Sapardos, Seixas, Vilar de Mouros, Nogueira, Campo, Lanhelas, Mangoeiro (hoje, Gondarém), Lovelhe, Sopo, Reboreda, Mentrestido, Gondar e São Cipriano.

No Censual de D. Diogo de Sousa (1514-1532), no qual é feito o apuramento da contribuição, que os 140 benefícios, até 1444 pertencentes à Sé de Tui e nesse tempo incorporados na diocese de Braga, tinham de pagar à arquidiocese, a igreja de Vila Nova vem também mencionada. Tinha de rendimento 69 mil réis.

Em 1545, no Memorial do vigário da comarca de Valença, Rui Fagundes, o arcediagado de Cerveira rendia 110 mil réis por ano, sem contar com a metade da igreja de Lovelhe que lhe pertencia.

O Censual de D. Frei Baltasar Limpo, na cópia de 1580 utilizada pelo Padre Avelino J. da Costa no seu livro “A Comarca Eclesiástica de Valença do Minho”, refere que o rei detinha o padroado de São Cipriano de Vila Nova de Cerveira.

O arcediagado de Cerveira, enquadrado na Terra de Vila Nova de Cerveira, da colação do arcebispo, tinha como anexa “in perpetuum'” a metade sem cura da igreja de Lovelhe.

De abadia do padroado real passou, depois, a ser da apresentação dos viscondes de Vila Nova de Cerveira, alcaides-mores da vila. O abade tinha de rendimento 150 mil réis, correspondentes a duas terças. A terça restante era aplicada às fortificações da praça, arrendando-a a câmara da vila em nome do rei.

Inventário do Património Arquitectónico

Em http://www.monumentos.pt

Informações detalhadas acerca de:

► Antiga Forca de Vila Nova de Cerveira

► Capela de São Roque

► Capela de São Sebastião

► Castelo de Vila Nova de Cerveira

► Cruzeiro de Cortes / Cruzeiro do Ecce Homo

► Fonte da Vila

► Hospital da Misericórdia de Vila Nova de Cerveira

► Igreja da Misericórdia de Vila Nova de Cerveira

► Igreja Matriz de Vila Nova de Cerveira / Igreja de São Cipriano

► Núcleo intramuros de Vila Nova de Cerveira / Zona do pelourinho e casas circundantes

► Passos de Via Sacra em Vila Nova de Cerveira

► Pelourinho de Vila Nova de Cerveira

► Solar dos Castros

FREGUESIA DE LOVELHE

INFORMAÇÃO SUMÁRIA

Padroeira: Santa Maria.

Habitantas: 443 habitantes (I.N.E. 2011) e 466 eleitores e 05-06-2011.
Tradições festivas: S. Pedro, Senhora da Encarnação e Senhora do Reclamo.

Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Forte de Lovelhe, Igreja paroquial, Capela da Senhora de Encarnação, Miradouro do Veado, Senhora da Encarnação, Campo de férias do INATEL, Praia fluvial do Rio Minho (Praia da Lenta),  e  aro arqueológico.

Gastronomia: Arroz de lampreia, rojões, debulho de sável e arroz de cabidela.

Colectividades:   Associação Desportiva e  Cultural de Lovelhe.

ASPECTOS GEOGRÁFICOS

A Freguesia de Lovelhe, com parte da sua área a se confundir com a zona urbana da vila, de  Vila Nova de Cerveira, tem os seus limites estabelecidos da seguinte forma: a Norte e Poente o rio Minho, a Sul a Freguesia de Vila Nova de Cerveira, a Nascente a Freguesia de Reboreda. Um dos seus pontos mais conhecidos são sem dúvida o símbolo do Concelho de Vila Nova de Cerveira, ou seja, o Cervo no Monte da Senhora da Encarnação, também conhecido como miradouro do Veado, mas,  outros são muito conhecidos tanto pelo seu  valor histórico ou turístico: O Forte de Lovelhe, o Aro Arqueológico, a Praia da Lenta no rio Minho (de referir que é uma das melhores deste país), O INATEL com a sua Colónia de Férias, as belezas ribeirinhas do rio Minho, as lindíssimas paisagens, e a natureza envolvente, observada  do Monte da Encarnação com a sua Capela e Parque de Merendas, e outras importantes referências desta freguesia.

RESENHA HISTÓRICA

A primeira referência, que se conhece a esta igreja, está documentada na divisão das igrejas feita entre o bispo e o Cabido de Tui, em 1156. Metade da freguesia coube ao Cabido de Tui.
Encontra-se incluída na relação, elaborada entre 1258 e 1259, das igrejas do território português de Entre Lima e Minho, pertencentes ao bispado de Tui.
Na lista dos mesmos benefícios, que o rei D. Dinis mandou elaborar em 1320, para atribuição de taxa, Santa Maria de Lobelhe estava enquadrada no arcediagado de Cerveira, sendo taxada de cerca de 35 libras. Figura no Memorial de Rui Fagundes, de 1545, na comarca eclesiástica de Valença e terra de Vila Nova de Cerveira, rendendo 16 mil réis.
O Censual de D. Frei Baltasar Limpo, na cópia de 1580, utilizada pelo Padre Avelino J. da Costa no seu livro “A Comarca Eclesiástica de Valença do Minho”, refere que a metade sem cura da igreja de Lobelhe estava anexada perpetuamente ao arcediagado de Cerveira, sendo “cabeça delle”. Quanto à outra metade, com cura, à qual se encontrava anexada Santa Ovaia de Gondar, pertencia ao mosteiro de São Fins de Friestas. A igreja de Lobelhe era então abadia do padroado real.
Foi depois da apresentação do Colégio da Companhia de Jesus de Coimbra, e finalmente da Universidade. Passou mais tarde a vigairaria.
Em termos administrativos, esta freguesia foi anexada a Valença pelo decreto de 12 de Julho de 1895, que extinguiu o concelho de Vila Nova de Cerveira. Três anos depois, por força do decreto de 13 de Janeiro de 1898 voltou a integrar o concelho, a que pertence actualmente, restaurado nesse ano.

Inventário do Património Arquitectónico
Em http://www.monumentos.pt
Informações detalhadas acerca de:

► Atalaia / Bateria da Mata
► Forte de Lovelhe / Forte de São Francisco
► Estação Arqueológica de Lovelhe
► Igreja Paroquial de Lovelhe/Igreja de Santa Maria
► Quinta do Forte
► Senhor da Prisão

Fonte consultada: Inventário Colectivo dos registros Paroquiais Vol. 2 Norte Arquivos Nacionais /Torre do Tombo e Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais

251 794 727
geral@vncerveira-lovelhe.com
 
Calendário
Jan0 Posts
Fev0 Posts
Mar0 Posts
Mai0 Posts
Jun0 Posts
Jul0 Posts
Ago0 Posts
Set0 Posts
Out0 Posts
Nov0 Posts
Dez0 Posts
NOTÍCIAS RECENTES
TAGS POPULARES

fecebook